Carros voadores, chips em humanos, identificação por retina, roupas e acessórios inteligentes. O que costumava parecer mais com sonhos e cenas de filmes hollywoodianos, atualmente está cada vez mais próximo do dia-dia da sociedade. De fato, os avanços tecnológicos caminham a passos largos para um futuro de ainda mais disrupção em que todos os setores de negócios deverão entender esta nova realidade e saber se adaptar nos adaptar para sentir o menor impacto possível. Neste sentido, estar à frente e saber com antecedência as tendências do mercado é um fator essencial.

Recentemente, o Facebook IQ, equipe de estudos do Facebook, deu uma prévia do relatório ”20 shifts for 2020”, em que estão listadas tendências que, para eles, irão influenciar o mercado no futuro. Dentre as tendências apresentadas, em um futuro próximo iremos entrar na era das negociações contínuas. De acordo com a publicação, a era das negociações contínuas tem origem graças às tecnologias que permitem maior controle das empresas pelas pessoas. O que observamos atualmente é que os clientes aumentaram o nível de exigência com as empresas e estão privilegiando a própria conveniência. Como consequência, as empresas devem cada vez mais aprimorar e trazer mais personalização aos seus serviços e produtos para impactar seu público.

Segundo o relatório, as empresas deverão entender e tapar o gap que há entre expectativa e a entrega. Como citado pelo Harvard Business Review, ‘para ganhar a lealdade do cliente as empresas precisam esquecer sinos e apitos e apenas resolver os problemas do cliente.’ (“To really win their loyalty, forget the bells and whistles and just solve their problems.”)

A força do mobile

O estudo realizado pela Internet Advertising Revenue Report (IAB), em parceria com a PwC americana, revelou a força e o aumento da propaganda móvel atualmente. O estudo mostra que dos US$ 72,5 bilhões investidos em anúncios no ano passado, 51% foi destinado para anúncios mobile. Isto significa um aumento de 77% de investimento em anúncios em relação ao ano anterior.

crescimento publicidade mobile

Segundo o estudo, é a primeira vez que a verba destinada à publicidade na internet ultrapassa a de TV. “ “Este compromisso crescente é um reflexo da mudança de marketing contínua das marcas de ‘mobile-first’ para ‘mobile-only’, a fim de manter o ritmo com os consumidores on-the-go de hoje.”, disse Randall Rothenberg, presidente e CEO da IAB.

Em consonância com os dados anteriores, outro estudo publicado recentemente pela GSMA, prevê que até 2020 haverá mais celulares que pessoas. O relatório constata que 73% da população mundial terá ao menos uma linha de telefone celular, com um aumento de acesso à internet 4G via mobile para 60% (em 2016, 48% da população mundial tem acesso à internet mobile). Neste cenário, o Brasil ocupará a sétima colocação no ranking dos países com maior número de usuários de linha móvel, totalizando 18 milhões de usuários.

Segundo a GSMA, a quantidade total à nível mundial de linhas móveis em funcionamento passará a ser de 9,7 bilhões até 2020, o que significa uma penetração de aparelhos de 112%. Isso ocorre pois muitas vezes temos uma pessoa com duas linhas ativas, ou um aparelho com duas linhas em funcionamento. Ou seja, em pouco tempo haverá mais linhas móveis em serviço do que pessoas.

Posted by Redacao InsideSeg